Buscar
  • marianadiascadastr

Eu odeio meu trabalho




“Odeio meu trabalho.”

“Me sinto perdida e infeliz.”

“É um inferno, sinto que minha existência está sendo muito triste.”

“Minha saúde mental acabou, tenho crises de ansiedade, não suporto mais...”

“Não consigo me achar profissionalmente, faço a mesma coisa o dia todo, é horrível, um trabalho chato, sem vida, não agrega em nada na vida de ninguém.”

“Todos os dias sofro pra ir trabalhar.”

“sinto até dores de cabeça quando chega perto da hora de trabalhar.”

“Eu sou infeliz no meu trabalho, é só cobrança e desvalorização.”

“Eu conto as horas para poder ir embora, as pessoas de lá me causam nojo.”

“Quando chego na porta da empresa tenho vontade de vomitar.”


Esses são alguns dos inúmeros relatos de pessoas das mais diversas profissões que você vai encontrar nas redes sociais. São relatos que chamam muito a atenção, que mostra uma triste realidade de pessoas adoecendo por conta do trabalho.


Não é à toa que que vemos pesquisas que apontam entre 60 a 90% o índice de pessoas infelizes com o trabalho. Essa é a realidade no mundo.


Por que a relação das pessoas com seus trabalhos é tão ruim?


Tudo tem a ver com a forma como a humanidade desenvolveu seu sistema socioeconômico. Vivemos a escravidão, a exploração, demos poder a poucos, que exploraram a mão de obra de muitos em troca de condições mínimas de vida digna. Muita coisa mudou, mas essa história ainda é uma realidade, mesmo que maquiada em muitos casos.


O ponto é que o trabalho, diante da relação estabelecida através da história da humanidade, passou a ser visto como algo penoso, cuja única função é garantir o que precisa para sobreviver (note: eu disse sobreviver, e não viver, que é o que deveríamos todos estarmos fazendo). E essa é ainda a realidade de muita gente.


Infelizmente ainda se vê uma relação muito ruim entre empregados e empregadores. Tão ruim que são necessárias intermediações de sindicatos e da justiça, na tentativa de estabelecer o equilíbrio nessa relação. Trabalhadores se sentem explorados, empregadores não confiam em quem contratam, e por aí vai.


Mas neste ponto quero te convidar a me dar a mão, e subir acima da estratosfera para olharmos para baixo, e vermos essa bagunça toda nesse planeta lá de cima, de uma perspectiva diferente. Parece que vamos dar uma viajada agora, mas não, fica comigo e você vai entender o ponto disso tudo.


Já subiu? Então olhe lá para baixo. Veja o planeta Terra. Lindo não? Olhe o entorno da Terra.... essa imensidão escura do Universo, que abriga uma infinidade de estrelas, planetas, buracos negros, e mistérios que não podemos sequer imaginar. Bom, esse é o contexto no qual estamos inseridos: um planeta habitado por uma diversidade enorme de formas de Vida. Note como todos esses seres (exceto um) simplesmente nascem, realizam sua natureza em equilíbrio com seu meio, e morrem. Exceto o humano. O humano não realiza sua própria natureza humana, muito menos em equilíbrio com o meio.


Veja as guerras, bombas atômicas que foram lançadas destruindo imensas áreas habitadas por diversos seres (porém, o alvo eram seres da própria espécie, ignorando todo o resto que fazia parte daquele ambiente), exploração, escravidão, muitos passando fome enquanto poucos se esbanjam com muito além daquilo que precisam para uma vida confortável, corrupções das mais diversas formas em todos os níveis da sociedade, assassinatos, brigas das mais diversas gravidades e pelas mais diversas razões, adoecimento por conta de trabalho de péssima qualidade, burnout, estresse, uma vida dedicada a pagar contas, uma vida dedicada exclusivamente à sobrevivência, enquanto outros desperdiçam todo o excesso de riqueza com os mais variados tipos de drogas, futilidades, e inúmeras outras tentativas de preencher o buraco vazio no peito.


Tudo isso para te dizer o seguinte: a humanidade ainda é doente. E assim será por um bom tempo. Sabe por quê? Porque nós humanos tornamos realidade um mundo doente criado pela nossa mente.


A Terra não é doente, a natureza não é doente, todos os demais seres vivos não são doentes, todos simplesmente vivem o que pede a natureza de cada um. Exceto o ser humano. Tudo isso porque não sabemos usar a supermáquina que recebemos. Toda essa loucura não existe na realidade do planeta Terra, existe apenas na mente humana, que realiza em seus comportamentos aquilo que cria na mente. Não compreendemos como funciona nossa mente, nosso corpo. E assim, seguimos perdidos, dando cabeçadas, fazendo besteiras, criando nossas loucuras, nossos sistemas loucos e doentios, e evoluindo a passos de formiga na compreensão de quem somos e sobre nosso papel nesse Todo.


É isso que eu quero que você entenda: a realidade na qual estamos todos imersos. Aqui, dentre os humanos, encontraremos de tudo: de pessoas incríveis a pessoas horríveis de se conhecer e conviver. De ambientes incríveis a ambientes terríveis de se viver, de se trabalhar, criados por nós. É assim, é o que é, e ponto.


E acredite, não estou tentando te desanimar. Estou aqui colocando essa realidade para que entenda que não é só você que sofre com pessoas desagradáveis, trabalhos de péssima qualidade, dificuldades financeiras e outros obstáculos mais. Não podemos fugir de nada disso, e nem ficar torcendo para que tudo passe. Não vai passar tão rápido, não estaremos vivos para encontrar um mundo repleto de pessoas incríveis e ambientes de trabalho completamente saudáveis. Mesmo que você encontre o trabalho dos seus sonhos, você ainda assim vai ter que lidar com pessoas difíceis, com desafios, com dias difíceis, com tristezas, perdas, etc.


Quando eu te coloco acima da estratosfera quero duas coisas de você:


1. Que consiga enxergar a loucura criada pela humanidade, em detrimento de toda a harmoniosa convivência e dinâmica de todo o resto da vida terrestre e, assim, entenda o cenário em que está inserido.

2. Que os problemas que vivemos não é uma realidade inerente à Vida, e sim uma criação humana. A Vida em si não é complicada, nem escassa, nem difícil. Isso tudo é resultado de tudo que criamos como humanidade (criamos na mente uma série de ideias, verdades, etc que moldou nossos comportamentos e, assim, criou a realidade social e econômica que vivemos).


Mas o que isso tem a ver com “odeio meu trabalho”?


Posto tudo isso, quero que você entenda o seguinte: a realidade que você vive hoje não é resultado apenas de decisões que você tomou na vida, mas sim é um somatório das decisões de seus antepassados, de seus familiares, de pessoas à sua volta que impactaram sua vida, da forma como você interagiu com o seu meio, das interações dos antepassados de muita gente até chegar em você. Então não se sinta mal. Essa história de que você é o único responsável pela sua realidade é um discurso irresponsável, que pode deprimir ainda mais muita gente ao fazer com que acreditem serem fracassadas.


Nós vivemos sim a realidade que criamos com nossas decisões. Mas vivemos em contextos, nascemos em um contexto, e toda essa cadeia de contextos à sua volta e à volta de seus antepassados impactam na história que você viveu até agora.


Lembra das frases que coloquei logo no início desse texto? Essas frases são ditas por pessoas nas mais diversas situações. Algumas delas estão em melhores condições de assumirem as rédeas de seus destinos e criarem mudanças. Outras estão reféns de uma enorme dificuldade financeira, com dependentes, vivendo no fio da navalha, e não conseguem enxergar alternativas, vivem em desesperança de qualquer possibilidade de uma vida melhor. Se sentem reféns, em situação muito desafiadora.


Não sei qual é sua situação, mas uma coisa é verdadeira para TODO E QUALQUER SER HUMANO DESSE MUNDO HUMANO LOUCO: Ninguém pode escravizar seus pensamentos. Ninguém pode determinar como você pensa e como você se sente. Por pior que seja a sua realidade, você é o único SENHOR ABSOLUTO de sua mente. Você é o único que pode determinar a direção da sua ATENÇÃO.


Pode ser que você não consiga mudar nada à sua volta. Mas se você mudar alguns padrões de pensamentos, ressignificar situações, e dirigir sua atenção para determinadas direções, você certamente vai conseguir tornar sua existência mais significativa, mesmo diante dos desafios externos. Isso você pode fazer. Pode e DEVE fazer. E ao fazer isso de forma consistente, você vai começar a trazer para a sua mão algo de que nunca mais deve abrir mão: autonomia sobre si, sobre sua mente, até que, passo a passo, irá colocar nas suas mãos a autonomia sobre sua vida.


Se você disser que não há nada que possa mudar na sua vida, que está condenado a viver a realidade atual para todo o sempre, eu vou acreditar. Mas jamais você irá me convencer de que não pode fazer nada sobre seus pensamentos, sobre seus sentimentos e sobre a direção para a qual está voltada a sua atenção.


Não há nada que não possa ser ressignificado. Significados não existem na Vida em si, na realidade em si. Significados não são inerentes a nada, existem apenas na mente humana, são todos criados pela mente humana. Por isso eu posso te afirmar sem sombra de dúvida que tudo na sua vida pode ser ressignificado, e que significado tem poder enorme sobre a mente humana e, consequentemente, sobre como você se sente sobre qualquer coisa.


Por isso, se você está na situação mais crítica em relação à sua vida profissional, de forma a não ver saída, de forma a se sentir refém, sem escolha alguma, sem perspectiva de mudança alguma, não vou eu aqui pedir para você mudar algo fora de você, seria muito desanimador, não? Mas vou pedir a única coisa que SEI que você pode fazer: MUDAR POR DENTRO. Isso significa mudar pensamentos, crenças, entender seus valores, suas forças, conhecer a si mesmo, a imagem que tem de si, a identidade que carrega, as histórias que conta, os significados que produz. Toda essa dinâmica de pensamentos acontece somente dentro de você. É seu. E sabendo que a gente se sente de acordo com o que a gente pensa, sugiro que comece por aí.Mesmo que mudar dentro de você seja a única coisa possível de ser feita; se essa é a sua realidade, então faça. Comprometa-se com o que é autenticamente seu. E confie.


Se você está em condições de gerar outras mudanças, se tem mais autonomia sobre sua agenda, seu tempo, se tem mais poder de escolha sobre o que fazer ou não, então avance, e vá realizando as mudanças que puder, inserindo os elementos necessários para que possa fazer as pazes com sua vida profissional e criar uma Carreira Positiva.





6 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo